9 de abr de 2008

Uma palavra e muitas histórias

  • Ir atrás da origem das palavras conduz a histórias de todo tipo. Em certos casos, a etimologia traz explicações curiosas -- algumas parecem óbvias, outras, quase inacreditáveis. Como as diferentes versões que remontam a trilha da palavra "sebo", que transcrevo do Bazar das Palavras:
  • 1. Quando ainda não havia luz elétrica, as pessoas liam à luz de velas, e, naquele tempo, as velas eram feitas de gordura. Sebo! Derretendo, as velas sujavam e engorduravam os livros.
  • 2. Sujos e ensebados: assim ficavam os livros que estudantes e leitores vorazes carregavam o tempo todo embaixo do braço.
  • 3. Das várias derivações do particípio presente 'sapiente' -- 'sabente' , em espanhol, 'asabentar', em catalão, e 'insaventire', em italiano -- a palavra adquiriu o significado de 'tornar-se sábio', 'eruditar-se', 'instruir-se'. No português arcaico, isso correspondia a 'assabentar' e 'sabentar'. Essas formas levaram à palavra 'sabenta', que nomeia a apostila, o conjunto de lições ou as explicações de aula. Com o uso, 'sabenta' virou 'sebenta', isto é: a obra ou a coleção de notas de classe que tornava o estudante mais 'sábio'.

Gosto de sebos. E essas explicações se misturam quando encontro um livro bacana, com a capa meio grudenta e muitas páginas amareladas contando histórias cheias de sabedoria.
(Silvana Tavano)
Postar um comentário