7 de mai de 2010

Mãe

Frito os bolinhos de chuva na panela
Depois mergulho um a um no mar de açúcar e canela
É doce a saudade que eu sinto dela
...

(publicado aqui, em abril do ano passado)

6 comentários:

Veronique d'Angoulême disse...

Nossa! Que lindo!

Tão emocionante!...

Denise Portes disse...

Eu acho esse verso uma das declarações de amor mais lindas que já li para mãe!A gente só consegue escrever isso quando a vida nos da à oportunidade de ter uma mãe muito especial.
Beijo
Denise

Grupo Ponto de Partida disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Érica Elke disse...

Me emocionei muito com seu poeminha lindo! Quando eu chegar em casa, vou dar um abraço bem apertado na minha mãezinha e chorar por um bolinho de chuva. E quando ficarem prontos, vou me inundar deles! É hoje vai ter enchente lá em casa!!!! Um beijo!

Anônimo disse...

Silvana, tão carinhoso o seu geito de falar de sua mãe. Também sinto muitas saudades da minha, dos papos com ela e dos papos de anjo que ela fazia. Pena você não a ter conhecido. Um Feliz Dia da Mãe pra você. Maysa

Leda Lucas disse...

Com este poema você evocou sentimentos profundos de saudades de minha mãe (que ontem, dia 09/05, se ela estivesse por aqui teria completado 78 anos. Sabe, é triste continuar comemorando o Dia das Mães com esta saudade!)
Também lembrei-me muito de minha avó, despejando os bolinhos numa cuia feita de abóbora d'água...
Sentimentos estranhos de distância e aproximação.