29 de set de 2009

Prato do dia

O arroz é branquinho
Quando está sozinho
Mas muda de gosto e de cor
Com qualquer caldinho

A palavra é como o arroz
Quando está só, diz uma coisa
Mas pode dizer outras
Depende do que vem depois

Porque as palavras se temperam
Mudam de gosto, engordam
E abrem o apetite da gente
Contando sempre uma história diferente


(Silvana Tavano)

7 comentários:

Letícia Volponi disse...

Prato do dia vira poesia...
Só vc mesmo!
Parabéns

Anônimo disse...

Ai que delicia de fome!DD

Anônimo disse...

Não sei o que é melhor, temperar o arroz ou temperar as palavras, é tudo muito bom. bjs Maysa

renato disse...

Adorei, escreve mais!!!!!!!!!!!!!!

Luciene Vieira disse...

E quando sai o livro de poesias, hein? Já tem uma coleção boa aqui no blog...

Silvana Tavano disse...

Luciene,
O "Mistério do Tempo" tá chegando logo, logo. Mas não me atrevo a chamar de poesia, isso é bondade sua -- como esses posts que publico aqui, é mais um 'texto rimado'.
...
beijos

Luciene Vieira disse...

Cara Silvana, a poesia está nos olhos de quem vê e no coração de quem a escreve... (hahaha)Aguardemos, então, pelo "O Mistério do Tempo"...