11 de mai de 2009

Do que a gente nunca esquece


A revista Carta Fundamental me convidou para escrever sobre o meu "primeiro livro", aquele especial, inesquecível e que acabou me transformando em leitora pelo resto da vida. Topei a proposta de cara, e desde então não parei mais de pensar no assunto: "Os Doze Trabalhos de Hércules" foi meu primeiro Lobato, a porta de entrada naquele sítio onde eu passava horas, esquecida de tudo. Mas, poxa, lembrei de tantos outros! Ainda não escolhi um título, mas cheguei à conclusão que vai ter que ser um livro que me emocionou, me fez rir e chorar e que li exatamente como nessa ilustração de Raquel Marin que encontrei sem querer no Donde Viven Los Monstros. Não é assim que uma história conquista a gente?

(Silvana Tavano)

2 comentários:

Ygor Moretti Fiorante disse...

É eu naum me lembro do primeiro primeiro livro que li, mas engraçado lembro de uns primeiros livros de quando ainda nem lia, eram esses livros com bastante ilustrações que contavam historias da biblia de um jeito bem natural, nada forçado e as ilustrações eram demais, infelismente naum tenho nenhuma referência para busca-los. Agora os primeiros que li, que relamente lembro são o da coleção vaga-lume, mas por ali ler ainda era uma obrigação e não um prazer como veio se tornar depois.

P.S.
Sou fã do seu blog, as vezes fico afastado das palavras, mas por aqui encontro inspiração e incentivo, quando as vezes não invejo (no bom sentido) seu compromisso com a literatura)

Silvana Tavano disse...

oi Igor,
também pra mim o blog funciona como incentivo, mais ainda quando provoca comentários como o seu. Venha sempre!