27 de jan de 2011

Livros


São três e todos trazem o mesmo aviso na ficha catalográfica: literatura infantojuvenil. Mas quem busca lindas histórias, textos delicadíssimos e ilustrações maravilhosas não deve se intimidar com isso. Eu nunca tinha lido nada de David Almond, fiquei curiosa com o título e acabei comprando "Meu Pai é um Homem-Pássaro". Não me arrependi. Numa fábula encantadora, Almond fala de perda e dor, celebrando a vida com a mesma doçura das imagens criadas pela ilustradora Polly Dunbar. Uma lindeza. Vale dizer que o autor levou o Hans Christian Andersen 2010 com este livro.
O segundo título foi um achado inesperado, num sebo de Tiradentes, onde estive no final do ano: "O Terno Tanto Faz Como Tanto Fez", da poeta americana Sylvia Plath. O desejo secreto de Max, o mais novo dos seis irmãos da família Nix, é o mote da brincadeira que mistura a história do terno com ternura, num texto macio e lindamente ilustrado por Rotraut Susanne Berner.
Sempé e bicicletas são dois motivos suficientemente fortes pra me fazer comprar um livro. A aventura de "Raul Taburin" rola solta entre selins, pedais e câmaras de ar, contando o drama de um mecânico de bicicletas que não conseguia se equilibrar sobre duas rodas. Traduzido por Mario Sergio Conti, o texto deixa a descrição dos personagens e cenários por conta das ilustrações maravilhosas, como essa aí em cima, que explicam tudo.

(ST)
   

9 comentários:

Caleidoscópio disse...

Ah! Fiquei com vontade de ler todos, em especial o último. No momento estou lendo mais um livro da coleção Pequeno Nicolau. Também gosto da delicadeza e dos traços de Sempé.
=*

Leonardo B. disse...

[fiquei muito curioso sobretudo com a sua primeira sugestão...
tenho "aquela sensação" que vou gostar de David Almond, assim que o tiver entre mãos. Obrigado pela partilha, e deixo]

Um imenso abraço,

Leonardo B.

Drika disse...

Que bacana, Silvana... gostei das dicas e vou tentar encontrar por aqui... tbm gosto muito de livros assim.

Um abraço no coração!

Tino Freitas disse...

Querida Silvana, tive a mesma surpresa e encantamento com Meu pai é um homem pásaro; Raul Taburin, para quem anda de bicicleta até virtualmente nesse blog, deve ter feito cafunés na sua cuca criativa; e, já que eu não conheci "O terno..." vou deixar outro que me encantou por demais, com o intuito de provocar a sua ida à livraria (o que farei amanhã mesmo em busca de um terno novo): O TAPETE MENTIROSO, de david lucas. Obrigado por compartilhar. Abraços musicais. Hatuna Matata!!!

Tino Freitas disse...

De fato, como eu já esperava, o Terno Tanto Faz Com Tanto Fez, fez um sucesso por aqui. Texto MUITO bem escrito e uma ilustração cheia de brincadeiras. Valeu, Silvana.

Silvana Tavano disse...

Tino, que legal! Achei que não fosse tão fácil encontrar esse livro. O meu é uma edição de 1997, da Rocco, e nunca tinha visto nas livrarias aqui de São Paulo.
Essa semana vou atrás do seu "Tapete Mentiroso", fiquei curiosa. Beijos!

Tino Freitas disse...

Então dei sorte... achei um filho único - também de 1997 e da Rocco - na Cultura em Brasilia. Estava desde então esperando por mim... hehehe. Beijundas e abraços musicais.

Ana Paula disse...

Silvana, eu me encantei com Raul Taburin e escrevi no meu blog a dificuldade em encontrá-lo dentro da livraria: uns achavam que estava no infantil, outros me mandavam subir as escadas dizendo que era adulto. Concluí que deveria haver um setor para gente crescida que come pipoca doce escondido, se lambuza com pirulitos e sente frio na barriga... esses livros, todos estariam por lá!
Beijo, vou procurar o do terno.

Silvana Tavano disse...

Ana, você tem toda razão! E adorei a sua descrição dos frequentadores desse setor que ainda não existe: nós, e um monte de gente, garanto!
As livrarias deveriam pensar seriamente nisso, rss...