15 de out de 2010

Dos mistérios

Pressentimento é um perfume que a gente sente, mas não sabe de onde vem. Como se o cheiro de alguma coisa que ainda está cozinhando entrasse pela janela de repente, abrindo o apetite fora de hora. Às vezes, é uma espécie de lampejo – igual à luz de um farol que aparece do nada, no meio da neblina: um não-sei-o-quê que pisca e logo some, deixando uma impressão com cara de certeza. De um jeito ou de outro, pressentimento é sempre embaçado, como um sonho que continua se sonhando depois de acordar. E tem esse mistério de se fazer entender, mesmo sem se explicar.

(ST)

4 comentários:

Nine disse...

Muito boa essa descrição do presentimento! Lindo! Beijos!

may disse...

Eu não acredito em nada, ou QUASE nada.Morro de medo dos meus próprios pressentimentos...

Silvana Tavano disse...

May, eu acredito em QUASE tudo, rsrs. E só não tenho medo dos bons pressentimentos.
beijinho!

mcris disse...

Engraçado você falar do pressentimento e ter a saudade ali, tão pertinho...

Porque desde o começo achei que o seu pressentimento era parecido com a saudade.

E os dois, coisa boa, passam longe do ressentimento...

Agradeço as iluminações quase diárias que vc planta aqui.

Abraço.