3 de dez de 2010

O tempo das coisas

Acabei de ler “Ismael e Chopin”, um infantil do português Miguel Sousa Tavares que ainda não foi lançado aqui. Comprei o livro em julho, quando estive em Lisboa, mas ele saiu da mala e foi direto pra fila de espera do meu criado mudo. A história do coelho Ismael, o filho número 29 de uma família de 52 irmãos, é uma fábula linda sobre crescer e aprender tudo, inclusive a esperar, pois “todas as coisas têm o seu tempo”. Por uma dessas sincronicidades que fazem a gente pensar, o livro chegou no topo da minha pilha num momento em que eu estava matutando justamente sobre isso, chateada, porque o ano passou tão rápido (e não é sempre assim?) sem dar tempo pra que acontecesse tudo o que eu esperava. 
O coelho Ismael me fez lembrar que o tempo das coisas não bate com o ritmo da gente e mais: colocar o desejo nesse compasso é uma arte que se aprende... com o tempo. O melhor é chegar no final dessa história com a certeza de que sempre vale a pena esperar. 
(ST)               
Postar um comentário