25 de ago de 2008

O lugar das coisas

Em cima da cabeça tem chapéu
Em cima do waffle é gostoso colocar mel
Em cima das nuvens tem um imenso céu.

Debaixo do cobertor tem pé quente
Debaixo da pasta costuma ter escova de dente
Debaixo da árvore é gostoso encontrar presente.

Em cima do bolo às vezes tem geléia de uva
Debaixo de tempestade sempre é bom ter guarda-chuva.

Debaixo da cama mora o bicho papão
E o terrível gigante mora em cima do pé de feijão.

Os ponteiros do relógio ficam em cima da hora
O pescoço do padre fica debaixo da estola.

Mas o mar às vezes parece o céu de quem olha do avião
E tem quem jure ver estrelas espalhadas pelo chão!

Por isso, não estranhe se, de repente, alguma coisa se inverter:
De ponta-cabeça é só um outro jeito de ver!

(Silvana Tavano)

3 comentários:

Patricia disse...

Sil,
Muito divertido. Parabéns e obrigada.

e para você, sem rima:
"embaixo do lápis tem papel;
em cima do teclado tem o Pai de Todos e o Furo Bolo;
embaixo do cabelo, muitos pensamentos esquentando a cabeça "das gentes"...

beijos
Patricia

Silvana Tavano disse...

oi Patricia,
com ou seu rima, adoro fazer esses "exercícios" -- o de hoje é uma espécie de continuação do "O que tem dentro?", que postei há algum tempo.
beijo, brigs pela visita!

Maria Amália Camargo disse...

Silvana!
Amei os versos... Espero que logo logo estejam com o "O que tem dentro" numa coleção.
"Os ponteiros do relógio ficam em cima da hora" é ótimo!
Ficarei no aguardo de outra série de poemas tão inteligentes e divertidos quanto esse.
Um grande beijo,