4 de jun de 2012

Passeio

Começo a escrever como o turista que entra num ônibus pra dar o primeiro giro por uma cidade desconhecida: escolho um lugar perto da janela e sento confortavelmente pra apreciar a paisagem. Em certos trechos do percurso, sinto vontade de saltar do ônibus atraída por algum detalhe interessante. Penso que seria bom andar a pé por ali, com mais tempo, descobrir ruelas, quem sabe sentar numa das mesas de um café que parece tão simpático. Mas ainda não desço em nenhum ponto, quero circular mais um pouco, até pra me localizar melhor. Mesmo sabendo que não vou esquecer desses lugares, tomo nota dos endereços. Posso voltar a cada um deles nos dias seguintes se continuar sentindo vontade. No momento, a ideia é me deixar levar por caminhos que ainda não conheço. E não só: pelas pessoas também -- de vez em quando desvio os olhos da janela pra observar os personagens que entram e saem do ônibus, e lá pelas tantas começo a conversar com uma mulher que senta do meu lado. Ainda não sei se a conversa é boa nem se vou cansar do passeio antes de chegar ao ponto final. Por enquanto, o trajeto está encantando meus olhos de turista o suficiente pra que eu siga o curso da  história, mesmo sem saber até onde ela vai me levar.

3 comentários:

Lu disse...

Vou me tentar lembrar dessas dicas na minha próxima "aventura literária"! :)

Nina disse...

Sou apaixonada por textos que fluem feito trajeto. É o caso desse seu. Também tenho muita ânsia de procurar imagens para tratar dos textos, a inspiração lá fora existe e se faz mais próxima da escrita.
Gostei muito daqui, e voltarei.

Arleth Rodrigues disse...

Sempre transitei muito pelos transportes públicos,
escola, trabalho, faculdade, passeios... enfim, eles sempre me dão varias ideias minha mente, vai longe a cada viagem, mesmo que pelo mesmo caminho!
Abraço e ate mais!