19 de fev de 2010

O leitor

Oito ou nove anos. Moreno, bem bonito. Sentado no chão num canto da livraria. Fiquei curiosa, cheguei mais perto, fazendo de conta que procurava alguma coisa. Ele não se mexeu, nem desviou os olhos. Fui para o café e sentei num lugar estratégico só pra ficar olhando de longe, através da porta de vidro, aquele menino encostado na estante, um menino dentro de um livro.

(ST)

6 comentários:

Ninoca disse...

Me lembrou o Sebastian do livro História sem Fim, um dos meus preferidos da infância!

Silvana Tavano disse...

E eu lembrei do conto Felicidade Clandestina, da Clarice Lispector. O parágrafo final, da menina na rede, abraçando o livro tão desejado. Você já leu?
...
Fiquei curiosa pra saber o que ele estava lendo. Pensei em puxar assunto, mas depois mudei de ideia. Não dava pra atrapalhar!

um beijo

Ninoca disse...

Não guria, não li esse não! Mas posso garantir que eu tb me sinto assim quando estou prestes a ler um livro desejado! É meu objeto de desejo, de consumo! Amo!

Juliana Valentini disse...

Concordo com a Ninoca: lembra o Sebastian, preferido meu também!
O Felicidade Clandestina também não li...
Beijo, Sil!
Juliana.

Silvana Tavano disse...

oi, Juliana!
Tenho usado a minha mesinha direto!
Saudades das nossas aulas, né?

beijos

Maria Teresa disse...

Silvana:
Momento mágico; queria estar lá com você!
Saudade de nossas aulas também!
Beijos