15 de mai de 2016

aconteceu na escola

7h12. Entro no carro e emendo o bom-dia com um desculpe por causa do meu atraso de uns dois minutos. Nem assim o pai do Edu vira o rosto pra dar um olá. Tem dias em que ele está muito mal humorado e, pelo visto, hoje é um desses dias. Então sento no cantinho e tento me ajeitar com a cabeça da Dani já no meu ombro. É incrível como ela consegue dormir em qualquer lugar e posição! A irmãzinha do Edu boceja um oi sonolento, e ele resmunga outro, com a cara enfiada na mochila. Parece que está procurando alguma coisa importante. O carro segue em silêncio pelo caminho de todos os dias rumo à escola. Esse programa é mais animado quando vamos com a mãe da Dani. Ela fala o tempo todo, fica perguntando coisas, às vezes até canta junto com o rádio. É uma alegria. Mas, às vezes, olho pra ela e vejo uma daquelas mães-margarina de comercial de televisão. Desconfio. Bom, isso tem a ver comigo. Sou desconfiada. 
Segundas e quintas vamos com a minha mãe. Antes de ligar o carro, ela checa o batom no espelhinho, depois acende um cigarro e engata, com o celular na mão. Ela vive querendo parar de fumar. Quer dizer, vive dizendo que quer parar. Pra mim, tanto faz. Já me acostumei a ver minha mãe através da fumaça.
(…)
trecho do conto "Sexta-Feira", em "Aconteceu na Escola", projeto tive a felicidade de participar ao lado de uma turma incrível: Blandina, Gilles Eduar, Índigo e Maria Amália Camargo.
Postar um comentário