27 de jul de 2011

Poesia no ponto

Alguém fixou cartazes com poemas de Mário Quintana, Paulo Leminski, Manoel de Barros e Alice Ruiz em dois pontos de ônibus da avenida Doutor Arnaldo. Ao que tudo indica, eles vão continuar por lá -- a Prefeitura não tem nada contra já que as "peças" não ferem a Lei Cidade Limpa, segundo a notícia publicada no Estadão de hoje.
Tomara que a moda pegue.      

2 comentários:

Fabíola disse...

Tem coisas que são inspiradoras, não é? Como topar com um poema bem no meio da cidade...

Esses dias, vi pichado num muro da Cardeal Arcoverde: "Se não fosse o amanhã, hoje seria muito agitado" - gostei muito.

Beijos, Silvana!

MCristina disse...

Oi, Silvana!

A história desses cartazes está aqui, no vereda estreita:

http://veredaestreita.org/2011/07/29/os-cartazes-mais-bonitos-da-cidade/

Como o Alê Oyamada disponibiliza o pdf e qualquer um pode reproduzir, pode ser que a moda pegue mesmo!

Um abraço.