30 de nov de 2007

Ainda sobre o fim dos livros...

Depois de ler minhas considerações a favor do livro, minha colega Jeanne Callegari ligou para dizer que também é possível fazer anotações no kindle:
"O e-reader vem com uma caneta especial. A pessoa escreve nas margens, grifa trechos, seleciona partes inteiras, e fica tudo gravado no arquivo daquele livro... Não sei se já existe ou não, mas o mesmo recurso vai dar conta de resolver a questão da dedicatória. A pessoa compra o arquivo digital para dar de presente e já deixa a dedicatória na página, via computador ou via kindle. não é o máximo?"
Não dá para negar, tecnologia é bacana mesmo. Mas, como bem lembrou a escritora e ilustradora May Shuravel, a televisão não acabou com o cinema que, por sua vez, não compete com o DVD, e assim por diante. É bem possível que eu também acabe virando a maior fã do kindle, mas dificilmente vou abrir mão dos livros de papel. E tenho certeza de que não sou a única --para muita gente, a paixão pela literatura se mistura e se confunde com o amor pelos próprios livros. Existe uma pequena obra-prima que trata justamente disso, o livro "A Casa de Papel", do argentino Carlos María Dominguez, editado pela Francis. Recomendo a leitura, mesmo que seja no kindle.
Silvana Tavano
Postar um comentário