26 de dez de 2012

Verão

O dia tem preguiça de ir embora
E a noite perde a hora
De escurecer

Quase esquece de ser noite
E arde sob o sol invisível 
Inquieta, impedida
De adormecer


4 comentários:

Márcia Fortunato disse...

Lindo poema, querida. Muitos "verões" assim em 2013. Beijos.

Silvana Rando disse...

Nossa, perfeito.
Parabéns.
Beijos!

Silvana Tavano disse...

Márcia, querida, saudades!!!!
...
e Silvana, xará, que honra receber visita sua aqui, adorei!

may disse...

bom!!!!!!!!!!!!!!!algo de bom esse calor infernal nos deu: o teu poema!