27 de abr de 2015

paisagem

a casa se plantou ao lado da árvore
e pintou a sombra de amarelo-alegria
abriu uma grande janela na frente
feliz de ter vizinho-passarinho
cantando bom dia

depois de um tempo de estranhamento
a árvore fez amizade com o cimento
foi-se enraizando pelo chão da casa
e hoje seu braço mais alto vive apoiado
na curva suave do telhado

quem vê as duas assim entrelaçadas
não sabe dizer quem nasceu antes
mas isso não é nada importante diante
de uma casa e uma árvore
vivendo abraçadas

6 comentários:

Lucas Grosso disse...

Em meia a tanta raiva urbana, só a cidade consegue viver apaixonada por si. Porque ela sabe que só ela vai resistir.

Tina Bau Couto disse...

Chorei

Tina Bau Couto disse...

Posso levar para meu blog?

Silvana Tavano disse...

claro, Tina! adoro ver minha bicicleta rodando por aí.
beijo!

Tiane disse...

Tu fizeste este poema para uma casa que tem na BR 101, chegando aqui na minha cidade. Impressionante! Vou fotografá-la para te mostrar.Bjinho!

Silvana Tavano disse...

Que legal, Tiane! Manda a foto, sim! Também vou fotografar a casa-inspiração, plantada no sítio de uma amiga querida.