13 de mai de 2014

era uma vez um gato (1)

(…) e as coisas continuaram embaçadas durante algum tempo. Confesso que não lembro de quase nada dessa época, dias e noites eram só aquele empurra-empurra, disputando o leite e o melhor lugar no colo quentinho de mamãe. Pouco a pouco, porém, meu espírito independente começou a se manifestar – assim que consegui me erguer sobre minhas quatro patas, comecei a explorar o mundo além da nossa casa-caixa. Fui o primeiro a me atrever pela superfície lisa e geladinha do lugar onde estávamos. É verdade que, no início, dei umas desequilibradas, mas logo peguei a manha da coisa e, cautelosamente, fui vasculhando canto por canto daquele espaço enorme. Avançava um bocadinho mais cada vez que saía de perto de mamãe, experimentando novos movimentos, descobrindo cheiros e sons diferentes, que faziam minhas orelhas empinarem por conta própria e minha cabeça girar ora pra cima, ora pra trás, de um lado, do outro, já atento e curioso, como eu continuaria sendo ao longo das minhas sete vidas.
Postar um comentário