6 de ago de 2013

mãe

num agosto de antes
uma manhã igual: clara

no mesmo céu imenso
o vento ainda dorme

uma única nuvem paira

no agosto de hoje
uma manhã igual: eternidade

no quieto das coisas
o tempo finge que para

no sempre da saudade

5 comentários:

Dayse Roumillac disse...

Bela tradução do sentir saudade. As palavras nos libertam e tornam tudo ao nosso redor melhor.
Grande abraço

Ana Paula disse...

No meu agosto também tem saudade de mãe.
Um aconchego ao coração ler tão doces palavras.
Beijo!

Cristina Sá disse...

SILVANA,
O mês de agosto também me traz
muita, muita saudade.
um beijo,
Cristina

Silvana Tavano disse...

Ana Paula, Cristina e Dayse, gostoso compartilhar com vocês a saudade e a poesia!

Fátima disse...

Numa manhã de agosto como a de hoje, eu nasci e minha mãe morreu... Como traduzir em palavras uma saudade daquilo que nunca se teve?????