6 de ago de 2013

mãe

num agosto de antes
uma manhã igual: clara

no mesmo céu imenso
o vento ainda dorme

uma única nuvem paira

no agosto de hoje
uma manhã igual: eternidade

no quieto das coisas
o tempo finge que para

no sempre da saudade
Postar um comentário