16 de jul de 2013

Poesia de pão com manteiga

Todas as manhãs, o pãozinho chega quente e animado:
-- Bom dia, dona manteiga, por acaso mudou de penteado?

Dura como pedra, a manteiga nunca quer saber de brincadeira:
-- Pensa que é fácil passar a noite na geladeira?

Com uma piscada crocante, diz o pãozinho galanteador:
-- Pois o frio lhe faz bem, em você só vejo frescor!

Depois disso, a manteiga sempre amolece até derreter de vez:
-- Ai de mim que não resisto ao calor de um pão francês!

...
Amanhã, a partir das 15h, "Vamos Brincar de Poesia?" na Biblioteca de São Paulo. Apareçam!
Postar um comentário