27 de jul de 2015

tarde de poesia

Em Paraisópolis, com uma turma inspiradíssima, que alegrou o meu dia de muitas maneiras: com poesias, como a da Karen...
fala comigo, amigo, desabafa!
acaba com esse mistério
antes que me tire do sério!
... e com desenhos lindos, como o autorretrato da Geisiane, mostrando o "antes"...
... e o depois da nossa oficina.
Delícia!

memória

Sempre que passo em frente ao prédio onde morei quando era pequena tenho o impulso de parar e perguntar se tem algum apartamento pra vender ou alugar. Não estou procurando imóvel, isso seria só uma desculpa pra visitar o lugar onde vivi dos 6 aos 13 anos. Dias atrás, uma placa pregada no portão me fez encostar quase em frente ao prédio. Estacionei, mas não saí do carro. Não sei quanto tempo fiquei ali, olhando pra escadinha ao lado da portaria, onde eu e a menina do 6º andar montávamos uma banquinha improvisada com pilhas de gibis velhos. A gente passava a tarde oferecendo Luluzinhas e Bolinhas pela metade do preço pra quem passasse pela calçada. Adélia era uma ótima vendedora! Por onde andará essa minha primeira sócia?
Depois olhei para o terceiro andar e entrei pela janela no quarto da minha mãe, adivinhando a grande penteadeira com espelho, encostada na parede à esquerda, a cama de madeira escura, bem em frente; a porta do banheiro no meio da outra parede, "disfarçada" entre as portas dos armários embutidos. Fui até a sala, sentei no sofá verde de pés palito, abri a tampa do piano preto e parei na frente de um quadro que sempre achei triste, a paisagem de uma praia escura e deserta, presa numa moldura dourada horrorosa. De repente, pensei: será que a sala é mesmo tão grande quanto a da minha memória? E então perdi a coragem de ir em frente. Porque o mundo inteiro cabia dentro daquele apartamento, e também no quintal da minha avó e no pátio da escola, lugares que vão continuar sendo do tamanho do meu mundo de menina.

16 de jul de 2015

trecho

de uma nova história:

(...) às vezes penso que, um dia desses, saindo do mar, eu encontro a Maira na praia, sentadinha, me esperando, e tudo volta a ser como antes. A gente vai se abraçar e nada mais vai doer em mim. Ainda dói. Toda vez que piso em terra firme, dói. Então vou pro mar porque o mar é meu chão, cara. De vez em quando as coisas também ficam escuras dentro do tubo, mas o céu azul tá lá, sempre tá, a gente tem que acreditar, concentrar no equilíbrio pra descer numa onda gigantesca e seguir com ela até que tudo se desmanche (...)

12 de jul de 2015

trampolim


salta, menina!
mergulha na tela
desmancha na água
vira aquarela
...
e essa lindeza de ilustração é da Maria Eugenia.

1 de jul de 2015

reviravento

vento atrevido
bate no vidro
atravessa janelas
apaga velas

pássaro sem asa
circula pela casa
assobia inquietação
entre as frestas

papéis no chão
como folhas na floresta
de repente a agitação
de fantasmas em festa

tão vivo o invisível
vento