29 de jan de 2013

26 de jan de 2013

De volta

(...)
Sentei-me perto, muito perto da avó Agnette.

Ficamos a olhar o verde do jardim, as gotas a evaporarem, as lesmas a prepararem os corpos para novas caminhadas. O recomeçar das coisas.

-- Não sei onde é que as lesmas sempre vão, avó.

-- Vão pra casa, filho.

-- Tantas vezes de um lado para o outro?

-- Uma casa está em muitos lugares -- ela respirou devagar, me abraçou. -- É uma coisa que se encontra.
(...)

Trecho do livro "Os da Minha Rua", de Ondjaki, um dos lugares maravilhosos que visitei nas férias.

17 de jan de 2013

Férias

 
No mar

Mergulho nas ondas
Desmancho feito espuma
Tiro os pés da areia
Imagino sereias

No mar

Fecho os olhos e flutuo
Sinto o ar salgado e puro
Abraço a água e me misturo

No mar

...
A ilustração é da Maria Eugenia, e eu volto no dia 28. Até lá!

15 de jan de 2013

Lições de Rodari

Eu já era fã das histórias do escritor, e agora ando encantada com as ideias do educador Gianni Rodari, reunidas no seu "A Gramática da Fantasia", um livro recheado de propostas de atividades, exercícios criativos e lições pautadas pela imaginação. No trecho em que explica como uma palavra escolhida ao acaso pode fazer a mágica de "escavar campos da memória que descansavam sob a poeira do tempo", Rodari faz menção a Proust e o passado que volta com o sabor da "madeleine" para mostrar que o jogo da memória também consegue despertar a criatividade das crianças: "(...) Qualquer palavra pode ajudá-las a recordar 'aquela vez que...', a se descobrir em meio ao passar do tempo, a medir a distância entre o hoje e o ontem, não obstante para elas, os 'ontem' sejam afortunadamente pouco numerosos".
 
Leitura deliciosa pra quem gosta de inventar histórias com -- e como -- as crianças.

8 de jan de 2013

Especiais

O pessoal da Callis me convidou pra participar do "projeto férias", indicando quatro sugestões de leitura que serão publicadas na página da editora no facebook. Partilho também aqui minhas escolhas:

“Não é Fácil, Pequeno Esquilo”, e também não é nada fácil falar sobre morte com os pequenos, mas o texto de Elisa Ramon e as ilustrações de Rosa Osuna cumprem a missão lindamente, contando a tristeza do esquilinho que perde sua mãe, e levando o leitor a entender sentimentos como angústia, dor, superação e saudade. Bonito e emocionante!

“Mancha, a Menina Maldesenhada” é a história deliciosamente bem desenhada por Maria Eugenia, e protagonizada por Mancha, uma menina diferente da maioria: ela não reclama do nariz, do cabelo, de nada, e mostra como dá pra gente se gostar e se aceitar mesmo quando nem tudo é perfeito. Mancha não está nem aí. Delícia!

“Papai e Eu, Às Vezes" não precisa de muitas palavras pra dizer o que acontece (e o que não acontece) entre uma menina e seu pai, uma relação onde “às vezes” cabe o silêncio e a ausência; “às vezes”, o afeto e o encontro. A delicadeza dessa relação transparece com muita sensibilidade nas imagens criadas pela argentina Maria Wernicke.

“O voo da arara-azul”, de Maria José Silveira, com ilustrações de Maria Valentina, é uma novela juvenil que encanta leitores de todas as idades, conduzindo a gente pela história recente do país – os anos de chumbo da ditadura militar – através das experiências e descobertas do adolescente André.

7 de jan de 2013

Janeiro

Tempo bom no céu
Tempo livre na agenda
Tempo pra ficar ao léu

Dá pra fazer tudo e nada
Inventar qualquer brincadeira
Todo dia tem jeitão de domingo
Até a segunda-feira!

Bem que a gente podia viver o ano inteiro
Nesse tempo mais lento
E quente e cheio de tempo
De janeiro