29 de mai de 2012

5 gostosuras

Livro-chocolate: é só experimentar um pedacinho e a imaginação fica gulosa, pedindo mais.
Livro-bala-de-goma: das histórias doces e macias, pra devorar feito criança.
Livro-picolé-de-limão: vale a pena quebrar o gelo dos primeiros capítulos e acabar se derretendo com o final.
Livro-pistache: também é duro no início, mas o sabor logo surpreende, até vicia -- é difícil parar enquanto não termina...
Livro-pipoca: tudo começa meio sem graça, com um punhado de grãos de milho e, de repente, uau, é um estouro!

28 de mai de 2012

Atenção

Tem dias em que é assim: ligo o computador e a Atenção aproveita pra escapulir. Sai curtindo issos e aquilos no facebook, depois pula de um blog pra outro e segue passeando, distraída, gostando de se espalhar cada vez mais, sem parar em nenhum assunto. Antigamente, eu dava bronca, fazia de tudo pra chamar a Atenção de volta. Depois fui percebendo que não adianta: quando não tem compromisso importante, ela relaxa e pronto. Isso costumava me deixar muito irritada, mas, com o tempo entendi que, nesses dias, é melhor fingir que não estou ligando. Daí vou atrás dela, flutuando feito nuvem que obedece o vento -- às vezes, é só isso: um vagar sem rumo, desmanchando aqui, juntando com outra nuvem ali, sem concentrar a ponto de fazer chover alguma coisa. Mas de vez em quando a danada me leva pra lugares inesperados, onde eu dificilmente chegaria se não estivesse tão solta. Daí a Atenção para por vontade própria, bota reparo numa ideia interessante e me chama pra trabalhar.

25 de mai de 2012

Castelo

Em mais um fim de tarde interminável, solitário como sempre, um robô fotografa sua própria sombra, inventando miragens no deserto marciano.
...
Na Folha de hoje.

24 de mai de 2012

Voar

Quando quase me esqueço como é, releio A Senhora Meier e o Melro, de Wolf Erlbruch.

23 de mai de 2012

Dos lugares comuns

Reclamar do trânsito é chover no molhado. Não tem lugar mais comum do que carro parado em congestionamento, e a gente lá dentro, de mãos atadas. A duras penas, saio pela esquerda, viro à direita e logo volto à estaca zero, sem ver nenhuma luz no fim do túnel. O jeito é aguentar firme, em compasso de espera, com muita paciência, que é a mãe das virtudes. Tento me consolar lembrando que a pressa é inimiga da perfeição e que devagar se vai ao longe, mas, poxa, precisa ser tão devagar? Não dá outra: chego atrasadíssima ao meu compromisso e entro correndo atrás do prejuízo. Mas os pequenos do Colégio Pentágono do Morumbi tinham preparado uma recepção tão calorosa que logo respirei aliviada, virei a página e coloquei um ponto final na minha lamúria pra fechar o dia com chave de ouro.

22 de mai de 2012

Neymar

O sujeito arma um lance interessante, o verbo cabeceia com precisão e um complemento redondinho encaixa na frase -- parece tão fácil vendo um craque contar histórias, mas não é moleza marcar gol de placa no jogo das palavras.

20 de mai de 2012

Presentes

Eu tinha pensado em inventar alguma coisa pra presentear os leitores do blog com um exemplar do "Zum-Zum-Zum das Letras", mas os comentários da Eunicia e da Margarida no "Convite" aí embaixo levaram o prêmio antes do sorteio. E o que era pra ser um virou dois: meninas, aguardo um e-mail de vocês com o endereço completo pra despachar os livros pra Tomar, em Portugal, e Rio de Janeiro!    

18 de mai de 2012

O convite do senhor Alfabeto

Queridas letras, quero anunciar uma novidade. Mas, calma! Mal comecei a falar e já estou vendo alguns sinais se contorcendo de aflição. Sosseguem, não é um novo Acordo Ortográfico. Na verdade, não aconteceu nada de excepcional, ainda... Mas acho que todas vocês vão gostar! Não pretendo fazer suspense, porém preciso dizer algumas coisas antes de chegar ao ponto.

Este grupo mora na minha casa desde sempre e, se depender de mim, nunca faltará um espaço exclusivo para cada uma de vocês – afinal, é uma grande honra hospedar as vinte e seis letras do clã da Língua Portuguesa! Aqui, todas sempre terão um lugar, e tanto isso é verdade que os quartos das queridas Ká, Dáblio e Ipsilon foram reabertos assim que recebemos o comunicado oficial de que elas estavam voltando para cá.

Enfim, a família é grande e convivemos na maior harmonia porque todos respeitam as regras da casa. Sei o quanto vocês gostam de tagarelar quando saem por aí aos pares, em grupos ou mesmo sozinhas para ir ao encontro de seus respectivos sons. Acompanho esse vaivém com muito interesse e não canso de me surpreender com tudo o que vocês inventam pelo mundo afora! Mas, debaixo do meu teto, sabem que é preciso manter a ordem, permanecendo em seus devidos lugares. Por isso, só posso agradecer a todas pelo comportamento exemplar: vocês só se manifestam quando são convocadas a dizer seus nomes!

Sei que é assim que deve ser, mas...

De uns tempos para cá, ando matutando com a seguinte questão: convivemos há tantos séculos e eu nunca perguntei o que vocês pensam quando ficam aqui, tão caladas...

Então, finalmente, vamos à grande notícia do dia: resolvi convidar os fonemas para uma farra excepcional nesta casa sempre tão organizada. Isso mesmo! Hoje o som está liberado e, a partir de agora, todas podem se visitar e falar à vontade. Mas, atenção, uma de cada vez e seguindo a sequência de sempre. Não precisamos exagerar na bagunça!

O que vocês acham dessa ideia? Proponho que comecemos imediatamente. Estou ansioso para ouvir o que todas têm a dizer!

Faço minhas as palavras do senhor Alfabeto e convido todo mundo pra aparecer amanhã no lançamento do livro, a partir das 15h, na Livraria da Vila (rua Fradique Coutinho, 915). Até lá! 

16 de mai de 2012

Espetacular

Hoje conversei com quatro turmas do 1º ano do Colégio Pentágono, em Perdizes, e, como sempre, me diverti muito com as histórias e as observações dos pequenos. Mais do que isso, ganhei o dia quando uma garotinha de seis anos olhou bem séria pra mim e perguntou: "de onde você tira essas ideias espetaculares?".
Delícia.

15 de mai de 2012

Imã


Até o céu para pra olhar quando ela aparece inteirinha, sem cortina de nuvem, sem medo da noite, tão nua, tão lua.

A ilustração é da Maria Eugenia.

14 de mai de 2012

Convite


O "Zum-Zum-Zum das Letras" começou aqui no blog, num certo dia de 2010, quando escrevi um post sobre a letra Zê. Eu tinha acabado de voltar de Portugal e ainda estava ouvindo o eco de palavras tão familiares que, lá, soavam como estrangeiras -- não dá pra ter certeza, mas desconfio que isso teve tudo a ver com um súbito interesse pelo som das letras e o início de uma pesquisa que me fez mergulhar no barulhento mundo dos fonemas. De todo modo, nada disso estava claro quando o Zê apareceu aqui, zangado com o Esse que vivia "usurpando seu lugar em casa, na mesa e em mil coisas gostosas por causa de um monte de regras esquisitas". Daí o Esse quis revidar: acabou mexendo com o Xis, o Ceagá, a Cedilha e, quando me dei conta, o alfabeto inteiro estava fazendo o maior zum-zum-zum.
De onde vem os personagens e que histórias vão contar? Pra mim, esse processo continua sendo bem misterioso, o que só atiça a minha curiosidade e o desejo de ouvir cada vez mais. Às vezes, dá tudo certo e surge o livro, como agora -- então sábado tem lançamento e espero todo mundo lá!

11 de mai de 2012

Um plano

Passar o dia na toca, escrevendo.
...
A ilustração é de Franco Matticchio, capturada no Animalarium.

8 de mai de 2012

Oito

Lembro do professor de matemática desenhando na lousa um oito deitado -- o símbolo do infinito --, como uma linha contínua girando em círculos de um tempo que não tem começo nem fim. E então coloco o oito de pé e vejo uma ampulheta por onde o tempo escoa em grãos de areia, passando tão igual e tão diferente pelos 18 anos do meu filho e pelos 80 anos do meu pai.

Onde vivem (e sempre vão viver) os monstros


"Não escrevo para crianças. Não escrevo para adultos. Escrevo e basta."
 (Maurice Sendak, 1928-2012)

7 de mai de 2012

Uma conversa

-- Mãe, fica mais um pouco!
-- Tá bom, só mais um pouco...
-- Um, não! Dois poucos, pelo menos.
-- Combinado. Dois poucos e depois vou trabalhar.
-- Ah, então... Então fica um poucão!!!!
-- Um poucão? Mas daí é muito!
-- Isso, mãe! Fica muuuuito.

5 de mai de 2012

Feitiço

A lua enfeitiça o mar
Maré sobe, maré desce
O mar obedece

A lua enfeitiça a gente
Noite clara, noite escura
O olhar procura

Sempre a lua

...
Porque hoje tem show especial no céu: a maior e mais brilhante lua cheia de 2012.

2 de mai de 2012

Noite

Debaixo da cama, encolhido de frio, o monstro desistiu de assombrar e adormeceu junto com a menina, ouvindo o barulho da chuva fininha, ninando a noite, sem nenhum medo do escuro.

Uma ideia


A arquiteta canadense Wendy Tsao não inventou a roda -- segundo a reportagem publicada na Serafina,  existem muitos artesãos especializados em transformar desenhos de crianças em bonecos de verdade. De todo modo, ela tem o mérito de ter feito a a roda girar, quer dizer, gerar lucro: os bonecos criados a partir dos desenhos de seu filho Dani fizeram sucesso, as primeiras encomendas vieram em seguida e ela acabou abandonando a arquitetura pra cuidar do próprio negócio, o Child's Own Studio.
O arquiteto aqui de casa não se interessa pelo assunto, mas, se alguém se animar, tenho um monte de desenhos dos personagens que meu filho inventava quando era pequeno -- a Monstra do Amor e sua Boca Beijante, por exemplo: podia virar uma pelúcia bem simpática, não?