30 de jan de 2011

27 de jan de 2011

Livros


São três e todos trazem o mesmo aviso na ficha catalográfica: literatura infantojuvenil. Mas quem busca lindas histórias, textos delicadíssimos e ilustrações maravilhosas não deve se intimidar com isso. Eu nunca tinha lido nada de David Almond, fiquei curiosa com o título e acabei comprando "Meu Pai é um Homem-Pássaro". Não me arrependi. Numa fábula encantadora, Almond fala de perda e dor, celebrando a vida com a mesma doçura das imagens criadas pela ilustradora Polly Dunbar. Uma lindeza. Vale dizer que o autor levou o Hans Christian Andersen 2010 com este livro.
O segundo título foi um achado inesperado, num sebo de Tiradentes, onde estive no final do ano: "O Terno Tanto Faz Como Tanto Fez", da poeta americana Sylvia Plath. O desejo secreto de Max, o mais novo dos seis irmãos da família Nix, é o mote da brincadeira que mistura a história do terno com ternura, num texto macio e lindamente ilustrado por Rotraut Susanne Berner.
Sempé e bicicletas são dois motivos suficientemente fortes pra me fazer comprar um livro. A aventura de "Raul Taburin" rola solta entre selins, pedais e câmaras de ar, contando o drama de um mecânico de bicicletas que não conseguia se equilibrar sobre duas rodas. Traduzido por Mario Sergio Conti, o texto deixa a descrição dos personagens e cenários por conta das ilustrações maravilhosas, como essa aí em cima, que explicam tudo.

(ST)
   

26 de jan de 2011

Miragem

Nas areias do deserto
Não tem gente fazendo castelo
Só o vento inventando ondas
Num imenso mar amarelo
...
(Acho que sonhei com o deserto porque adormeci assistindo a um documentário da Discovery sobre o Egito).

(ST)

24 de jan de 2011

Férias no espaço

Sentada na sua poltroninha predileta, a bruxa Creuza posa para a ilustradora Graça Lima enquanto planeja sua viagem à Lua e Marte. O segundo capítulo de "Uma Bruxa em Órbita" já está em cartaz no site Brincando na Rede.

(ST) 

21 de jan de 2011

Tempestade

Ao meio-dia o céu escureceu e começou a rugir como um leão.
Depois choveu, copiosamente, lágrimas de verão.

(ST)

20 de jan de 2011

A turma da janela: os ariscos

Os sabiás não se incomodam, as maritacas até fazem pose, mas os bem-te-vis não dão moleza: mal pousam pra fazer um lanche e chispam batendo asas na mesma hora -- bem que eu vejo, só que nunca consigo fotografar e vivo levando baile dos mascarados. Hoje, porém, fui mais rápida do que eles: a foto saiu meio torta, mas deu pra pegar um belo perfil da duplinha.

(ST)

19 de jan de 2011

Sobre a preguiça

Ela não precisa de convite pra aparecer e fica à vontade mesmo que a gente não faça sala nem ofereça cafezinho. É que a preguiça é folgada por natureza. Não dá pra vacilar: basta abrir a porta e a danada já vai se espalhando pela casa sem fazer a menor cerimônia. O pior é que ela não tem assunto, não traz novidade, não engata nenhuma conversa. A preguiça não quer nada com nada, só quer ir ficando, assim, sem pressa e sem compromisso, de preferência esticada num sofá bem confortável.
É verdade que, de vez em quando, é até gostoso estar em sua companhia, deixar-se levar pelo seu espírito de contemplação, passar um tempo vendo o tempo passar. O problema é que a preguiça não vai embora enquanto a gente não toma uma atitude mais radical, tipo levantar do sofá e dizer claramente que a
hora da visita terminou. Parece simples, mas não é. Acontece que a preguiça tem poderes hipnotizantes. Com aquele jeitão de quem não quer nada, vai envolvendo a gente numa nuvem de torpor meio imobilizante: depois de um tempo o corpo não obedece à ordem de “mexa-se”, os olhos embaralham as letrinhas, os pensamentos se acostumam com a folga e tudo vira um grande aborrecimento. 
    
(ST)

17 de jan de 2011

No ar

Todas as coisas se movem
Quando o vento vem cutucar
Por fora e por dentro
Tudo pode mudar de lugar  

(ST)

15 de jan de 2011

14 de jan de 2011

Colo

O abraço da rede me leva pra outro tempo. No ritmo de um balanço suave, lembro de uma antiga canção de ninar com sotaque italiano e adormeço menina de novo.
 
(ST)

13 de jan de 2011

O peixe

Ele é azul, pequenino e agitado. Sobe veloz até a superfície do grande aquário decorado com plantas e pedregulhos e, lá de cima, mergulha na diagonal em direção ao fundo, no outro canto. Às vezes, nessas descidas, fica olhando durante uns segundos pela parede de vidro, como se quisesse avançar pelo imenso oceano que circunda o aquário. Mas logo sobe de novo, e mais uma vez desce, inventando traços que se movimentam dentro de um quadro líquido. Nesse vaivém cutuca um peixe que está se fingindo de pedra, atravessa uma turma de douradinhos que boia em grupo no meio das algas e continua, sozinho, pra cima e pra baixo. É o único que se arrisca até o ponto mais alto só pra mordiscar a água com gosto de céu.

(ST)

12 de jan de 2011

Férias com a bruxa

A Creuza ainda não sabe se vai pra praia ou pra montanha no primeiro capítulo de "Uma Bruxa em Órbita", a nova aventura ilustrada pela Graça Lima, em cartaz no site Brincando na Rede. Vai
(ST)

11 de jan de 2011

Ondas

Menina do cabelo ondulado
Olha o mar imitando o seu penteado!

A ilustração é da Carla Caruso, e o texto que acompanha essa imagem no livro "Poemas para Sonhar" também é dela:

Lá em baixo, bem no fundo
há um golfinho de prata
que em seu nadar atento
sonha inteiro o mar

(ST)

7 de jan de 2011

Convite

No próximo domingo, dia 9, às 16h, estarei no Sesc Pompéia (rua Clélia, 93) participando da programação "Encontro com o Autor". Apareçam!

(ST) 

Outro tempo (2)



 
Bem que a gente podia viver o ano inteiro
Nesse tempo mais lento e mais cheio de tempo

De janeiro

A ilustração é da Maria Eugenia.

(ST)

5 de jan de 2011

Outro tempo

Nos primeiros dias de janeiro, quando a gente quase esquece que não é domingo, sonho com o quintal da minha avó, onde o tempo não tinha pressa e as tardes iam terminando devagar, anunciadas pelo vento perfumado pelo carinho de um bolo assando no forno.

(ST)

4 de jan de 2011

Creuza em capítulos

Parecia até praga: toda vez que a bruxa Creuza pensava em viajar, acontecia alguma coisa e ela acabava desistindo das férias. Foi só quando o feitiço do tempo trouxe janeiro de volta ao calendário mágico que a bruxa decidiu: não adiaria seus planos de novo! Feliz da vida com a novidade, começou a dançar em volta do caldeirão, imaginando mil e uma aventuras num cenário bem diferente. Mas... onde?
...
Assim começa "Uma Bruxa em Órbita", a nova história da Creuza, ilustrada pela Graça Lima, que fica no ar até o dia 8 de abril no site Brincando na Rede. Acompanhem!

(ST)